febre-pediatra

Febre na pediatria

A febre é o sintoma campeão de consultas em pronto atendimentos pediátricos.  Geralmente sinaliza que há algo errado com o organismo e pode ser a primeira manifestação de uma doença.

Mas febre é perigoso? Preciso correr pro hospital? Quando me preocupar com a febre?

Inicialmente, os pais devem saber manejar a febre em casa. Na maioria dos casos, é possível esperar de 48 a 72 horas antes de procurar auxílio médico.

Pode-se dar os antitermicos indicados pelo pediatra que acompanha a criança e aguardar que os sintomas se manifestem, para que o médico possa juntar o quebra-cabeças e fazer o diagnóstico preciso.

Um banho morno geralmente ajuda a aliviar o desconforto, mas não se deve colocar álcool na água, como se fazia antigamente.

Contudo, em certos casos, deve-se procurar auxílio médico de forma precoce para uma investigação mais detalhada: bebês de até 3 meses, bem como bebês de 3 a 6 meses com temperatura acima de 39°C, devem buscar um pediatra logo de início.

Crianças com doenças crônicas ou doenças que afetam a imunidade, síndromes genéticas (como a síndrome de Down), ou em tratamento quimioterapico, por exemplo, também merecem atenção especial. Outro motivo de preocupação deve ser a criança que se mantém prostrada mesmo quando a febre passa ou tem vômitos repetidos.

Outra dúvida que geralmente aflige os pais e os motiva a procurar o pronto-socorro é o medo de uma  convulsão na vigência de febre. Isso pode acontecer se a criança tiver predisposição genética para isso (caso os pais ou o irmão tenham histórico de convulsão febril, o risco é maior).

As convulsões febris são mais comuns em crianças entre 6 meses e 6 anos de idade. São crises de caráter benigno, que normalmente não deixam sequelas e passam em menos de 5 minutos, mas assustam muito os pais!

Então,  qual a melhor conduta caso seu filho tenha febre?

Inicie, em casa, os medicamentos antitermicos indicados pelo pediatra,  para aliviar o desconforto. Procure agendar uma consulta com o pediatra da criança. Caso não seja possível, busque outro pediatra, de preferência no consultório mesmo, que consiga atendê-lo em um ou dois dias.

No consultório voce será atendido com calma, conforto e com hora marcada. Reserve o pronto-socorro para os casos especiais citados acima, já que no hospital,  a espera pode ser longa,  e além do desconforto que gera para a criança e a família,  expõe seu filho a doenças, ao aguardar na sala de espera cheia de crianças doentes.

Dra. Patrícia Ocelli – Pediatra da Blues.

O que deseja encontrar?

Compartilhe

© Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.